Deixa-me Amar-te # Excerto


Lucas pousou-lhe um dedo sobre os lábios, em jeito de a calar. Agora era a sua vez de falar e sabia Deus o quanto ele esperara por aquilo.
Colocou o joelho no chão e abriu caixa que escondeu durante meses. Do interior uma pequena pedra brilhou, finalmente livre de brilhar para o mundo.
Mafalda levou as mãos à boca para abafar um «Oh» que lhe ficou preso na garganta.

- Sim! Sim! Sim! – Exclamava ela, sem lhe dar hipótese de dizer o que fosse.

- Sim o quê? Isto não é para ti, é para aquela senhora que está ali a olhar para mim e a pensar que devo estar louco.

Só faltou Mafalda roubar-lhe o anel das mãos e colocá-lo ela mesma. Mas Lucas impediu-a.

- Tens sempre uma palavra a dizer. Tens sempre tudo na ponta da língua e agora, que finalmente arranjei coragem nem me deixas pedir-te em casamento decentemente? – Disse, trocista. O seu sorriso irradiava felicidade.

Mafalda esticou a mão esquerda, abanando o dedo em jeito de «dá cá isso» e calou-se, fingindo-se amuada.
Lucas fez-lhe a vontade, mas não deu o discurso por terminado.

- Quando soube que estavas grávida, tive tanto medo que não pudesse ser o pai que o nosso filho merece. Tive medo de não poder ser o marido que precisas. O homem que precisas. Mas nunca tive realmente medo de te perder. Sabia que o que tínhamos era forte e capaz. Sempre acreditei em nós, não tem sido fácil. Nunca será fácil mas e daí?

Não a querendo ver corar ainda mais diante da equipa médica que, sem se aperceberem, se juntaram ao redor deles, Lucas selou o momento com um beijo doce e apaixonado.

- Mais uma coisa, aceitas casar comigo?

Mafalda abraçou-o com toda a força que tinha enquanto ele a levantava do chão. Ouviu-se “vivas” e palmas. Só faltava mesmo uma chuva de pétalas de rosa.

- Não poderia ser de outra forma. – Murmurou ela, mordiscando-lhe a orelha. – Foi incrível. Foste perfeito. No sítio certo, no momento certo.

Lucas pousou um braço nos seus ombros.
- Num hospital? Com uma rosa emprestada? Por amor de Deus. – Abanou a cabeça, sorrindo para si próprio.

- Fez sentido, para mim. – Entrelaçou os dedos nos dele e encostou a cabeça ao seu ombro. – Posso adivinhar que está tudo bem contigo e presumo que tenhas mandado o Dr. Torres bugiar.

Incrível. Mafalda sempre lhe soubera ler os pensamentos.

- Foi mais ou menos isso.

Lucas beijou-lhe o alto da cabeça enquanto caminhavam lado a lado pelo corredor.


Imagem:We ♥ It

Share This Article:

CONVERSATION

2 comentários :