Our love #7 || "Senti-me a mais" # "A nossa relação não tem sido fácil"


Rita: Após a nossa primeira briga, cheguei a questionar-me se valeria mesmo a pena. Os pais dele nunca iriam ajudar em nada e eu sozinha não podia acartar com tudo. Pus em causa os meus sentimentos e pela primeira vez, julguei ter sido tudo precipitado entre nós desde o inicio.Afinal, que conhecia eu sobre ele? Conhecia-o de vista do liceu e apaixonei-me perdidamente pouco tempo depois de o conhecer melhor. Acho que nos faltou aquele tempo de nos conhecer-mos a ambos primeiro. Mas naquela altura, eu sabia o que sentíamos, o que queriamos, para quê adiar? Hoje, não que me arrependa, mas acho que mais um tempo como "amigos", um tempo para nos conhecer-mos não fazia mal nenhum. Adiante.
Confesso que encostei o Lex à parede. Não que eu seja daquelas pessoas que faz o que os pais dizem à risca, mas na verdade eles tinham razão no que diziam, eu própria concordava. Ele tinha de arranjar uma solução, visto que os pais não queriam saber de nós para nada. Lá conseguiu uma bicicleta emprestada para vir ter comigo quando combinávamos algo. Isto porquê? Porque nunca fui convidada para ir lá a casa dele, tirando 2 ou 3 vezes que lá fui almoçar/jantar. Por isso, vinha ele ter comigo. 
Não foi fácil mas conseguimos. 
No Natal combinámos que seria cá e lá. Cada um passava a Noite de Natal em sua casa com a família e no dia de Natal almoçávamos com os meus pais e jantávamos com os dele. Acho que foi a segunda vez que fui a casa dele. Senti que o ambiente dava para cortar à faca. Limitei-me a ficar a ver o filme da idade do Gelo (nunca mais me esqueci) que estava a dar na TV enquanto estava tudo em silêncio. Não sei porquê, mas senti-me a mais. Como se não pertencesse ali. Uma das poucas vezes em que a mãe dele falou comigo foi para perguntar "Então Rita, este ano a passagem de ano? Vai ser em Cuba?". Mais tarde ela disse que não, mas eu não sou parva e tenho dois dedos de testa para ter percebido o tom de gozo com que fez a pergunta. No ano anterior, se fomos passar o fim de ano à Nazaré, foi porque podiamos. Mas na cabeça de algumas pessoas, somos ricos por isso.
Posso admitir com muito orgulho, que posso ser pobre mas mostro aquilo que tenho e mando os outros se f*. Cá em casa já tivémos dificuldades, é verdade, mas vivemos um dia de cada vez. Os meus pais toda a vida trabalharam, tiramos uns dias para ir aqui ou ali já somos ricos. 
Fui para casa e não contei nada disto aos meus pais. Não contei que me senti ignorada a noite toda nem as bocas da mãe dele. 
Percebi que estava completamente lixada com os "sogros" que arranjei mas eu amava o Lex e ele não tinha culpa disso. 
Chegou o fim de ano e ficámos por casa (também, com aquele mau tempo...). O Lex passou o Ano connosco e no dia seguinte fui almoçar com eles. Tentaram ser simpáticos, deduzi que ele lhes tinha dito alguma coisa acerca do Natal. Não lhes guardava rancor, tentei sempre pensar "Não ligues Rita". Tentei, até certo ponto. 
Se nós éramos caxopos e a nossa relação ia acabar mais cedo do que começou (na cabeça deles) para quê dar importância? Para quê desperdiçarem dinheiro em comida para me convidarem a lá ir a casa jantar de vez em quando? Se eu não merecia um ramo de flores, dito pelo padrasto dele, secalhar também não merecia sentar-me à mesa com eles. Deduzo. 
Pus o sucedido no Natal de parte e tentei ser feliz com o Lex. Mas desde aquela primeira briga de Setembro, os tempos fáceis não voltaram para ficar muito tempo.
Outra tempestade aí vinha.

------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
Lex: Após a nossa primeira briga, e visto que os meus pais não se preocupavam minimamente com com a nossa relação, eu lá consegui arranjar uma bicicleta emprestada e assim poder ir ter com ela.
Quando chegou o Natal combinámos almoçar em casa de um e jantar na casa do outro, foi uma das poucas vezes que lá foi e não podia ter corrido pior. E o pior é que eu sempre quis ter uma família grande e unida, que se entre ajudem,  não estou só a falar de agora, mas  sim quando for casado com a Rita. Sim porque quando chegar a altura certa eu peço-a para casar comigo, pois ela é quem me faz realmente feliz, completa-me e sem ela eu não seria metade do homem que sou.
No dia de Ano Novo ela foi lá almoçar, e correu melhor que no dia de Natal, mas não sei se os meus pais gostaram dela ou não (apesar de eles dizerem que sim) , eu próprio já não sei se acredito neles. Por isso eu deixei-os um pouco de  lado acerca da nossa relação, porque não me parecia que iriam mudar seja o que fosse.Desde o inicio a nossa relação não tem sido fácil mas sempre conseguimos superar todos os obstáculos que a vida nos atira para a frente.Sei que nem sempre será fácil mas sei que iremos superar tudo o que vier, unidos como um.


Imagem: We ♥ it

------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
Aqui fica mais uma parte da nossa história. Estão a gostar?? 
Não se esqueçam que podem sempre aceder ali ao lado em Links/Archives, Always & Forever.Esperamos que tenham gostado deste pedacinho de nós.

Share This Article:

CONVERSATION

3 comentários :

  1. Gostei muito de ler, como sempre :) As relações não são só coisas coisas boas, têm os seus altos e baixos, mas a verdade é que vocês estão juntos para escrever a história :p

    ResponderEliminar
  2. Só li este post sobre vocês e espero sinceramente que as coisas tenham acalmado.
    R: sim fui hoje de manhã!

    ResponderEliminar
  3. Acho que correu bem obrigada. Contudo ainda não tive coragem de retirar o penso para ver :o

    ResponderEliminar