E depois sou eu...


Ora, boa tarde pessoas! 
O dia de hoje deu muito que falar...e pensar... ainda eu achava ser a única a fazer certas figuras. Pois bem, adiante.
Hoje foi dia de ir com a minha mãe a Lisboa para lhe mudarem o penso da mão, decidimos ir de comboio e acreditem que há com cada situação...é por isso que sempre disse, quem viaja de carro vai mais confortável e não depende de horários mas isto de viajar em transportes públicos é outra classe. Mais sociável, digamos assim.
No caminho para Santa Apolónia entra um grupo de Indianos todos vestidos a rigor, passado uns minutos deixei de os ouvir falar, estava uma das mulheres meio a dormir, sentada, sem estar encostada ao banco sequer. Quando sou eu, só me falta estender pelo banco fora, quanto mais.
Chegadas a Lisboa, apanhámos o Táxi para o hospital... posso dizer que O-D-E-I-O andar de táxi. O raio dos homens não devem saber que têm um travão, quanto mais. Foi no hospital que me desmanchei a rir não sei quantas vezes.
Ou por duas mulheres que andavam lá tipo trambolhos, com um saco enorme, em que cabiam dentro (e posso dizer que não eram nada pequenas), de um lado para o outro e foi por um triz que uma velhota não levou com o dito saco pelas trombas.
Volta para aqui,volta para ali, aparece uma senhora com um vestido como quem vai para a praia, quase com o bumbum ao léu, a reclamar ao telemóvel que estava lá desde as 10h da manhã (e já era quase 13h), que se tinham esquecido dela blá blá blá. Muda de cadeira aqui e ali e de repente deixei de a ver. Às tantas lembrou-se que não tinha tirado senha, quase aposto.
Adiante. Na viagem de regresso, lá vinha eu a escorregar pelo banco, com uma dor de cabeça e uma tonelada em cada pestana, olho para a frente, vem uma miúda ferrada a dormir com a boca aberta, mas mesmo muitoooo aberta. Olho para a minha frente, um homem de cabelos brancos, barba rasteirinha branca também todo desportista com uns 40 e muitos anos, saca da carteira, tira duas notas de 20 e uma de 10. Fiquei naquela, o bilhete já ele tinha porque o visor já tinha passado...
arruma a carteira digna de mulher, a julgar pelo volume...., saca de mais uma nota de 10 do bolso, conta as notas todas e enfia no bolso tudo bem dobrado. 
Fogo 60€ no bolso!!!!  Passo pelo sono uma vez mais, quando abro os olhos está o homem quase a cair do banco, todo esticado, a ressonar... Bolas!! Ainda eu achava que só eu fazia certas figuras, desengonçada como às vezes sou. 
Pronto, um testamento para nada. Agora, aqui ficam as fotos de hoje.








Share This Article:

CONVERSATION

4 comentários :