Quando o Coração não Perdoa | Excerto


"Na mão levava a lista dos livros que iria procurar (e que ao sair da biblioteca possivelmente teria o dobro do tamanho, como sempre), caminhava distraidamente entre as prateleiras de livros, lendo as lombadas e virando o pescoço para um lado e para o outro, conforme a direcção que os títulos estavam escritos, estava não absorvida no seu mundo que quando virou no corredor seguinte chocou contra um rapaz, pregando com todos os livros que ele tinha nas mãos no chão.
No espaço de tempo que leva uma pessoa a sentir-se o ser humano mais desastrado do planeta e pedir desculpa apressando-se a ajudar a apanhar os livros, na cabeça de Eva fez eco as palavras da irmã
“Com tantas visitas à biblioteca aposto que ainda encontras por lá o teu verdadeiro homem dos sonhos”.  Sentiu-se ridícula, não só pelo estrondo que acabara de causar, pela vergonha que acabara de passar mas sobretudo pelo fugaz pensamento que as palavras de Susana deixara para trás.
Fosse como fosse, quantos rapazes se interessavam por leitura, mesmo? Qual a probabilidade? Uma em não sei quantos milhões?

- Desculpa. – Pediu. – Desculpa não sei onde estava com a cabeça. – Disse ela, atrapalhada.

-Não tem problema, também estava distraído, acontece. – Respondeu o rapaz, que aos olhos de Eva pareceu também um pouco envergonhado.

Um silêncio desconfortável instalou-se entre eles até que o jovem leitor desconhecido o quebrou por fim.

-Stephen King? – Quis saber, dando uma espreitadela aos livros que Eva tinha na mão.

- Hmm. Sim… Nunca li nada dele mas gostei da série que foi inspirada nestes livros…

- Vais gostar. – Iria mesmo? Isso significava o quê? Que ele conhecia o autor? Que lia o mesmo que ela?  OK, talvez a probabilidade de «um em não sei quantos milhões» devesse ser estendida para um em não sei quantos biliões ou triliões. – Bom, tenho de ir. – Disse ele. – Como te chamas mesmo? – Quis saber, semicerrando os olhos.

-Eva. – Disse, simplesmente.

- Daniel. – Sorriu. – Costumas vir à biblioteca muitas vezes, Eva?

A rapariga riu-se, uma vez mais com as palavras da irmã a fazer eco na sua cabeça.
 - Parece que venho as suficientes.

Com certeza Daniel não percebera bem aquela resposta mas em vez de o demonstrar apenas disse:
- Então até à próxima, Eva, e cuidado para não atropelares mais pessoas nos corredores de romance ou ficção-científica."

Este é o resultado de uma manhã produtiva de escrita que me deixou super satisfeita. Espero que tenham gostado tanto quanto eu gostei de escrever 😊

Share This Article:

,

CONVERSATION

10 comentários :